‘Maria da Penha': RN intensifica luta para combater violência contra a mulher

07 agosto 2015

‘Maria da Penha': RN intensifica luta para combater violência contra a mulher



O aniversário de nove anos de Lei Maria da Penha encerrou nesta sexta-feira (7), em Natal, a Semana da Justiça pela Paz em Casa com um alento para asautoridades que participaram do evento: apesar de ainda haver avanços para serem conquistados, a norma que criminalizou a violência doméstica inibe novos casos, permite à mulher se rebelar contra o machismo vigente e criou condições para novos direitos serem adquiridos.

“Ainda há muito para ser conquistado. Essa questão do sexismo e do machismo é uma coisa contra a qual ainda temos que lutar. Mas a Lei trouxe esse instrumento de combate. Por causa dela, hoje, muitos agressores repensam na hora de agredir sua companheira”, comemorou a secretária municipal de Políticas para Mulheres, Aparecida França.

Fortalecer a sensação de segurança que lei trouxe é um projeto que vem sendo pensado pelas entidades ligadas ao assunto. Judiciário, Prefeitura de Natal, Defensoria Pública e outras instituições expuseram nesta sexta-feira, na Coordenadoria da Mulher em Situação de Violência Doméstica e Familiar, situada no bairro da Ribeira, uma proposta para inibir ainda mais o agressor.

Pela ideia, as mulheres vítimas de violência doméstica amparadas por medidas protetivas terão um número de telefone cadastrado no Centro Integrado de Operações de Segurança Pública (Ciosp).

Ao acionarem a polícia, o sistema da Secretaria de Segurança Pública (Sesed) automaticamente detectará que aquela mulher já está em situação de risco e agilizará o atendimento policial. O projeto está sendo discutido com a Sesed. Para implantá-lo, as autoridades precisam de um software específico e ainda não há estimativa para a compra.


“Outra proposta e que ainda não temos em nosso Estado, ao contrário do que já existe no Rio Grande do Sul e no Mato Grosso do Sul, é uma polícia especializada em acompanhar o agressor com monitoramento eletrônico”, salienta a juíza Fátima Soares, titular da Coordenadoria da Mulher em Situação de Violência Doméstica e Familiar.


“A Lei Maria da Penha foi um avanço nos aspectos punitivos e protetivos mas é preciso avançar mais”, pontua Fátima Soares ao lembrar que a Justiça estadual está fazendo sua parte. Em 60 dias, será instalada a segunda vara da violência doméstica, que irá desafogar parte dos 4 mil processos que tramitam na única vara existente na capital.

Só nesta semana foram expedidas 40 medidas protetivas durante a Semana da Justiça Pela Paz em Casa em Natal. “O número parcial é menor do que o de 117 determinadas em março e pode mostrar que esta ação contínua pode contribuir para diminuir os casos de violência”, compara a magistrada.


Desafios

Autoridades lançaram propostas no encerramento de semana dedicada às ações contra violência doméstica (Foto: assessoria do TJRN)
O maior desafio no enfrentamento à violência contra a mulher no ambiente doméstico e familiar é mudar a cultura do machismo na sociedade. Este é o consenso das autoridades do Judiciário, Defensoria Pública e da Administração Pública presentes ao encerramento da Semana da Justiça Pela Paz em Casa. A visão das pessoas precisa mudar também nas comunidades com a desconstrução de preconceitos, sexismo, supremacia de um gênero sobre o outro.

Durante a entrevista coletiva na qual repassou dados preliminares sobre o trabalho feito na Semana, a juíza Fátima Soares destacou que foram realizadas 162 audiências sobre casos de violência contra esposas, companheiras e namoradas em unidades judiciais de Natal, Mossoró, Parnamirim, Campo Grande, Portalegre, São Gonçalo do Amarante, Tangará, Extremoz, entre outras cidades. Mais de 1000 atendimentos foram prestados a clientela feminina da sociedade nesses cinco dias de trabalho em mutirão judiciário realizado em todos os estados do país.

“Comemoramos os 9 anos da Lei Maria da Penha, justamente nesta sexta-feira, continuando uma atuação iniciada em março com a primeira edição da Semana”, lembra Fátima Soares. Para a magistrada, é preciso avançar mais em relação à defesa dos direitos de esposas e donas de casa em ter preservadas suas integridades física e psicológica.

A secretária de Políticas Públicas para as Mulheres de Natal, Aparecida França, observou ainda que o perfil de homens e mulheres envolvidos nesses casos são semelhantes e que a mulher vítima da violência tem idade entre 20 e 40 anos, reside geralmente com o agressor, tem baixa renda e é negra.

“O perfil do agressor é semelhante, inclusive no aspecto da baixa escolaridade”, explica. Para ela, são faces de uma mesma moeda, na qual na realidade dessas pessoas não há vida cultural, lazer, habitação, transporte, saúde e educação de qualidade. “Precisamos de uma sociedade mais justa”.


Fonte: Portal Noar

Polo Club São José de Mipibu

Polo Club São José de Mipibu

Farmácia Central

Farmácia Central

Vidraçaria Bom Jesus

Vidraçaria Bom Jesus

Madeireira Jatobá

Madeireira Jatobá

M2 Academia

M2 Academia

ads

ads

Ari Moto Peças

Ari Moto Peças

ads

ads

Formulário de contato

Nome

E-mail *

Mensagem *

  • Copyright © 2017 - Digital Mipibu!
  • Todos os direitos reservados