.RJ: Porta-voz da PM faz apelo a famílias; viaturas começam a ser liberadas

10 fevereiro 2017

.RJ: Porta-voz da PM faz apelo a famílias; viaturas começam a ser liberadas

Marco Antonio Teixeira/ UOL

Parentes de policiais tentam bloquear saída em batalhão da PM no Leblon, zona sul

Em vídeo postado nas redes sociais no início da madrugada desta sexta-feira (10), major Ivan Blaz, porta-voz da Polícia Militar do Estado do Rio de Janeiro, pediu para que as famílias se manifestem a favor dos policiais, mas não bloqueiem as entradas dos quartéis da corporação.



"É fundamental que não esqueçamos o que está acontecendo no nosso Estado vizinho. No Espírito Santo, em poucos dias, mais de 100 pessoas foram mortas, incluindo policiais e seus familiares", disse. "Sabemos que a nossa situação é difícil, é complexa, mas não podemos de forma alguma permitir que esse cenário de barbárie chegue às nossas casas, às nossas famílias."

Além do vídeo, várias outras mensagens e fotos foram postadas durante a madrugada mostrando que os policiais estavam trabalhando normalmente.

View image on Twitter

Durante a quinta-feira (9), uma série de boatos circulou pelas redes sociais indicando que as entradas de quartéis pelo Estado seriam bloqueadas, a exemplo do que tem ocorrido no Espírito Santo desde o último sábado (4).

Por enquanto, a maior movimentação ocorre apenas em alguns pontos da cidade, como na frente do 6° Batalhão da PM, no bairro da Tijuca, zona norte, ocupada por familiares de policiais desde a 0h. Às 6h, as manifestantes começaram a barrar a saída dos policiais, em meio à troca de turno. Alguns dos policiais tentam sair para o serviço à paisana, mas as mulheres insistem para que eles não sigam para o trabalho. 

O grupo, no entanto, ainda é pequeno: oito mulheres, casadas ou filhas de policiais, participavam do protesto. 

Reprodução/Facebook

Familiares montam barracas para bloquear acesso a batalhão da PM em Volta RedondaCom cartazes em mãos, elas reivindicam melhores salários e condições de trabalho para os agentes, cobram o 13° pagamento de 2016 e gratificações atrasadas. Reclamam ainda da estrutura da corporação que, segundo elas, põe em risco a vida dos policiais.

Muitos soldados que chegam ao batalhão agradecem o apoio das mulheres. Moradores da vizinhança, inclusive, oferecem água e café para as mulheres.

Vitória Nery, uma das manifestantes, perdeu o marido, morto durante em uma troca de tiros com traficantes em março de 2016. Ele era lotado no 6° batalhão, e deixou também uma filha de 8 anos do casal. O pai e o irmão de Vitória são PMs da ativa e ela teme por eles.

"Estamos aqui não só para protestar contra salário baixo e corrupção no governo. Estamos aqui pela vida. Não quero que aconteça com essas mulheres o que aconteceu comigo, quando perdi meu esposo."

"Se houver confusão como no Espírito Santo, é complicado, mas é necessário. Não temos mais o que fazer. Se formos protestar na Alerj, não resolve."

Outra mulher de policial, que não quis se identificar, pediu mais valorização para a categoria. "Se importam com o caos, mas quando morre policial ninguém fala nada. Eles não podem protestar, não podem parar, por isso estamos aqui."
Grupo se mobilizou pelas redes sociais

À 0h10, o comandante do 6° Batalhão, coronel João Jacques Busnello, deixou o prédio da corporação para conversar com os manifestantes. Ele pediu, de maneira amigável, para que o portão do quartel não fosse obstruído e que os policiais não fossem impedidos de entrar e sair. Por fim, ofereceu água e café.

Ao perceber a resistência das manifestantes, o comandante retornou às 5h50 para tentar convencê-las de liberar o trânsito na entrada do quartel. Mas elas não aceitaram. Disseram que o protesto é para o "bem da corporação".

Questionado pela reportagem do UOL, o comandante afirmou que os policiais não aderiram à paralisação. "Nossos policiais estão cientes de que têm trabalho a fazer. Mas eu entendo todos os lados", afirmou.
Em outras partes da cidade

No 23º BPM, no Leblon, na zona sul, quatro mulheres tentavam impedir a saída de policiais para as ruas a partir de 5h50. Às 6h, no entanto, a primeira viatura saiu sem maior resistência.

Por volta das 6h10, um micro-ônibus chegou a ser impedido de deixar o local inicialmente. Porém, após conversa dos policiais com as representantes das famílias, o veículo pôde sair com os oficiais que trabalham na Unidade de Polícia Pacificadora (UPP) da Favela da Rocinha.

"Pedimos a compreensão de vocês. Temos cerca de 20 homens aqui que vão render nossa equipe na UPP da Rocinha. Se eles não chegarem, aqueles que lá estão terão dificuldade para sair. Além disso, ainda iremos perder território em uma área estratégica. Vocês conseguiriam colaborar? Nos outros casos, até podemos conversar. Mas é importante essa equipe sair para o trabalho", explicou o oficial que controlava o fluxo de saída do 23º BPM.

No 2º Batalhão (Copacabana), a situação é a mesma da Tijuca: sa mulheres conseguiram realizar o bloqueio e os PMs não trocaram o turno.

No 27º Batalhão, em Santa Cruz, policiais militares estão quebrando muros para furar o bloqueio de manifestantes, segundo familiares que estão no local.

Polo Club São José de Mipibu

Polo Club São José de Mipibu

Farmácia Central

Farmácia Central

Vidraçaria Bom Jesus

Vidraçaria Bom Jesus

Madeireira Jatobá

Madeireira Jatobá

M2 Academia

M2 Academia

ads

ads

Ari Moto Peças

Ari Moto Peças

ads

ads

Formulário de contato

Nome

E-mail *

Mensagem *

  • Copyright © 2017 - Digital Mipibu!
  • Todos os direitos reservados